domingo, 12 de fevereiro de 2012

do ápice ao precipicio

  É difícil pensar no desastre quando a felicidade é plena, mas ignorar as possibilidades de uma possivel desgraça é viver em um mundo inexistente e fantasioso. Falar de nós, de mim, de você, implica em obter respostas nunca ditas, para perguntas frequentemente perguntadas, "como tudo deu errado com a gente?", "nós eramos tão felizes!". A vida nem sempre coloca pessoas no nosso caminho pra sempre, alias, o pra sempre existe? A vida faz questão de te dar a felicidade e te mostrar que até as rosas tem espinhos, e no canteiro mais bonito, você pode se cortar. Há um ano e alguns meses, eu mal poderia imaginar que a intensiade de um sentimento, poderia chegar até o ponto em que chegou, realmente o amor avassala as pessoas e quando menos se espera, você está completamente rendido ao seus pés. A questão é: o amor acaba? Não, o amor nao acaba, mas ele se transforma, é raro e bonito quando se encontra duas pessoas que se amam incondicionalmente apesar das dificuldades, amar alguém implica em deixar o egoismo de lado, é se dar por inteiro e nao olhar nunca para trás, mas é saber também que as pessoas tem seu tempo pra ir, e você tem que deixá-las irem.
  Te deixar ir, fácil de dizer para minha cabeça que sabe que não tem outra solução, mas meu coraçao, quente e sentimental, grita, a cada segundo, para que você volte o mais rápido possível e faça essa dor passar, a dor que não nos deixa respirar, que sufoca, mata. Eu queria que nada tivesse sido tão desastroso, que ainda estivesse intacto, é dificil dizer de quem foi a culpa, quando nenhum de nós consegue assumir a própria falta de maturidade e crescer, ao inves de regredir.
 

Um comentário:

  1. Vim correndo abrir o link, né? E fiz questão de ler tudo com bastante calma, viajando no tempo, e me colocando no lugar. Eu sinto saudades de quando "amor" era algo que eu via nos romances em filmes, e só isso. É, um ano muda muito, aumenta muito sentimento, ou faz desaparecer. O que não é o caso. Mas isso serve pra algo, toda a dor serve, esse texto é prova disso. Ficou lindo, amiga.

    ResponderExcluir